Primeiras impressões Nikon D800 e seus 36 megapixels

“Nossa, 36 megapixels…”

Foi essa a expressão da maioria dos fotógrafos, que misturava desejo e desconfiança quando a D800 foi anunciada, inclusive a minha, já que essa é a dslr com maior resolução no mercado atualmente.

Quando lançada a D800 causou espanto nos usuários da marca, já que a Nikon costuma ser extremamente conservadora nos seus lançamentos e principalmente nos up-grades (atualizações), mas não foi o que acontece para quem esperava a sucessora da D700 com apenas alguns megapixel a mais e talvez um vídeo full-hd como na D4, ao invés de um upgrade a Nikon resolveu quebrar paradigmas e surpreender a todos com um lançamento totalmente novo: Nikon D800 e seus 36 megapixels!

• Nikon D800 (FX)
Formato FX / Full-frame (35mm)
36 megapixel (7360 x 4912 pixel)
Raw 14 bit sem compressão (puro)
51 pontos de foco / 15 cruzados
Exposição de 30″ ~ 1/8000
Matrix, central e spot
Sistema de medição TTL RGB de 91.000 pixel (pontos)
ISO 100 ~ 6400 (50 ~ 25.600)
Burst de 4 fps
Flash pop-up TTL
Sincronismo de flash de 1/250 (possui FP)
Vídeo full-hd 1920×1080 linear (sem compressão) à 30 fps

→ Especificações técnicas completas da Nikon D800

Seguindo o mesmo padrão de post da Nikon D600 vou ser bem objetivo e dizer o que eu gostei e não gostei nessa nova câmera, reviews e testes estão cheios pela internet, pergunte ao Google!

Logo de começo posso dizer que os botões/funções da D800 me agradam bem mais que na D600 já que a D800 tem o seu corpo/botões muito parecido com a D700/300 facilitando a operação de muitos ajustes como ISO, fotometria, AF, pontos AF, BKT e balanço de branco. A pegada é menor que a da D700 e também da D600, mas certamente com o uso de um grip a pegada vai ficar firme e mais confortável.

O viewfinder circular também permite uma excelente visão da cena, prefiro ao invés do retangular, não é algo que vá fazer diferença na fotografia mas vejo o conforto no uso como um ponto importante.

Quando se liga a câmera e faz as primeiras fotos logo se nota o poder dos 36 megapixels, antes de comprar a minha D800 confesso que fiquei bem resistente a me render a tanta resolução do novo sensor – já que mais pixel vem associado a mais ruído. Dias antes realizei alguns testes com a câmera de um amigo afim de me convencer que trocar os 12 megapixels da D700 pelo 36 megapixels da D800 não seria prejudicial na qualidade final da imagem levando em conta a questão ruído, o Calcanhar de Aquilis da fotografia digital.

Os 36 megapixels dão uma “folga” muito grande para fotografar, é possível realizar pequenos e médios cortes sem comprometer demasiadamente o tamanho final da imagem, além disso  se utilizar boas objetivas associado a baixo ISO é possível conseguir muitos detalhes de textura nas fotografias, é impressionante!

Além de uma grande resolução o sensor da D800 trabalha em modo 12 ou 14 bits com ou sem compressão, gerando imagens com uma excelente latitude – capacidade de capturar grandes diferenças de claro/escuro e grande gama de cores/tons.

ISO é um ponto a ser considerado na D800, não é uma câmera para se trabalhar em ISO alto, para ISO alto eu acho a D600 a melhor opção, porém nas fotos que fiz utilizando a D800 usei entre ISO400 e 800 durante dois trabalhos, um deles um curso prático de fotografia de natureza onde fotografei dentro da mata com ISO500 e o flash falhou na reciclagem me obrigando a recuperar a exposição da fotografia na conversão do RAW no Camera Raw do PS/CS5.

Sem sombra de dúvidas o fator ISO x 36 megapixels foi o grande questionamento no lançamento desse equipamento, e a pergunta era: Será que um sensor FX vai suportar os 36 megapixels sem apresentar um ruído excessivo que prejudique a qualidade?  Bom, parece que a Nikon  trabalhou direitinho no processamento interno da imagem e consegui construir uma boa relação tamanho x qualidade x ruído, definitivamente não é a melhor câmera em termos de ISO mas como usuário da marca a anos eu confesso que não esperava uma relação tão bem equilibrada assim, motivo que me fez relutar muito em abandonar a D700 com sua qualidade de imagem em ISO elevado inquestionável.

Upgrades de resolução no passado.
Quando a Nikon atualizou suas câmeras D50/D70/D70s e D100 com sensor CCD de 6 megapiexls para as novas D40/D40x/D60/D80 e D200 com sensor CCD de 10 megapixel ela perdeu muito mercado devido ao ruído excessivo produzido pela D80 e D200. Embora a tecnologia CCD seja mais limitada que a CMOS em termos de “ISO/ruído” muito se questionou (e se questiona) sobre a nova D800 com seus 36 megapixels que representa 300% a mais do que os 12 megapixels da D700/D3 e D3s e mais de 100% sobre os 16 megapixels da D4.

O disparo contínuo– burst – não é o ponto forte dessa câmera, com apenas 4fps ela deixa a desejar e não permite capturas em sequência. Mesmo com o GRIP ela continua com seus 4fps diferente da D700/300 que ao utilizar o grip e pilhas AA ou a bateria da D3 passam de 5 para 8fps, mas em contra partida você pode selecionar a área da imagem assim como na D2/3/s/x/4 alternando entre full de 1.0x (sem crop), crop 1,2x, crop 5:4 e crop 1,5x que além de aumentar a velocidade disparo em 1fps diminui o tamanho final dos arquivos.

Velocidade do auto-foco é algo impressionte, rapidamente a câmera faz a detecção das fases, utilizo muito o modo continuo e notei que assim como a D600 a D800 responde muito bem na correção do foco quando o assunto se move, e como na D600/D700/300/3/4 a D800 também possui um ajuste de resposta do AF para regular quanto tempo a câmera vai levar para responder corrigindo o foco quando o assunto se movimentar. Os 51 pontos de foco são bem distribuído como na D4/700/300.

Dois slots para cartões ajuda muito, embora eu prefira o Compact Flash pela segurança e velocidade o fato de ter dois slots, CF + SD, possibilita trabalhar com cópia de segurança, separando RAW e JPG ou mesmo determinando um cartão para fotos e outro para o vídeo.

A fotometria é muito refinada, baseada na medição em 91.000 pontos RGB (pixels) e não apenas o tradicional  “claro/escuro”. Essa medição RGB é muito eficaz em determinar qual a exposição correta da imagem, inclusive fornecendo ao flash TTL uma leitura muito precisa da luz ambiente e velocidade sincronismo de 1/250 com opção do modo FP que aumenta a velocidade de sincronismo se usado uma unidade SB600/700/800/900.

Ta pensando em comprar uma D800? Considere o tamanho do arquivo e lembre-se de comprar cartões CF e SD de alta capacidade e desempenho pois a D800 gera arquivos enormes que podem passar dos 50MBs facilmente. Cartões de alta desempenho são recomendados pois a câmera faz a transferência do buffer (memória provisória) para o cartão e cartões de baixo desempenho vão deixar essa transferência lenta, comprometendo novas fotos seguidas. Armazenar as fotos da D800 também ter que ser pensado antes já que o seu arquivo é 4 vezes maior do que o arquivo da D700 por exemplo.

Abaixo uma foto com a D800 e respectivos crops (cortes):

EXIF: D800 + 300mm + TC1,7x em 1/1250, F8, ISO500 | arquivo original (jpg)

Outros pontos que vale à pena destacar na D800 é o corpo selado, que inclusive pude testar no último trabalho que realizei enquanto chovia, além de ser todo construído de liga metálica que dá maior robustez ao equipamento. Nos menus vale destacar que a D800 trabalha com 4 bancos para modo de disparo e configurações gerais, permitindo deixar a câmera pré-configurada para diferentes tipos de uso.

• POSITIVO:
– resolução do arquivo (permite bons cortes)
– sistema de medição muito preciso com 91.000 pontos
– latitude do sensor
– Raws 14 bits s/ compressão
– velocidade do auto-foco e 51 pontos de foco
– velocidade de exposição de até 1/8000
– velocidade sincronismo de Flash de 1/250 e FP
– opção para escolher fator de corte/área da imagem (crops)
– vídeo puro, sem compressão em full-hd
– corpo/recursos/botões
– LCD de 3,2″ e 921.000 pixel
– preço

• NEGATIVO:
– tamanho do arquivo gerado com mais de 50mb
– velocidade do burst com apenas 4fps
– tamanho do corpo dificulta a pegada
– ISO alto (acima de 1600)
– Grip não aumenta o burst

Entre suas caracteristicas a Nikon D800 é um belo conjunto que reúne funcionalidades e alta resolução e em uma avaliação geral sobre os prós e contras eu diria que a D800 é uma boa câmera, destinada especialmente a fotógrafos de natureza desde que estes não utilizem altas taxas de disparo (burst), fotógrafos de produtos/still, estúdio e publicidade.

Bom pessoal, esperamos ter ajudado em algo.
Abraços e até a próxima, equipe EF.

4 Comments:

  1. poxa gente, nikon, mais conhecida como nikokon, solta uma camera dessa com um corpinho de dar inveja às amadoras…

  2. Fantástico, é de reviews assim que precisamos para decidir a compra de uma nova camera, claro, objetivo e sincero. Parabéns a todos

Deixe um comentário, ficaremos felizes em saber o que achou!