Corujas de Iracemápolis.

Corujas! Quando ouvimos alguém falar de coruja logo lembramos da corujinha-buraqueira, espécie muito comum nas cidades e na área rural. No Brasil temos mais de 20 espécies de corujas, algumas com ampla distribuição geográfica, outras restritas a biomas específicos como por exemplo a coruja-de-crista (Lophostrix cristata)

Conforme a região e o bioma as espécies mudam. A buraqueira comum no estado de São Paulo, ocorre de maneira pontual em algumas regiões do estado do Amazonas por exemplo. Já a murucututu-de-barriga-amarela (koeniswaldiana) encontrada no litoral de São Paulo e em algumas regiões do interior do estado é diferente da murucututu (perspicillata), uma espécie que prefere o bioma Cerrado.

Confira algumas espécies encontradas em Iracemápolis, interior de São Paulo pelo fotógrafo do portal EF.

Além das espécies fotografadas para esta publicação, existe também registro do mocho-diabo (Asio stygius) realizado na cidade pelo fotógrafo Ualisson Eduardo Gesuelli, contabilizando a ocorrência de 7 espécies para o município.

São elas:

Coruja-buraqueira (Athene cunicularia)

Frequência de observação: ★★★★★
Hábito: diurna e noturna.

Uma das espécies de coruja mais conhecidas é a coruja-buraqueira, cuja as atividades diurnas intensas facilitam a sua observação. É muito comum em campos gramados nas cidade e ema áreas rurais cobertas por pastos, sendo facilmente observada no chão, em mourões ou empoleirada sobre pedras.

Coruja-buraqueira. Créditos: Tiago Degaspari - EF (DSC_1418)

Corujinha-do-mato (Megascops choliba)

Frequência de observação: ★★★★☆
Hábito: diurna e noturna.

Pequena como a coruja-buraqueira, a corujinha-do-mato possui hábitos noturnos e prefere áreas com matas, podendo ocorrer em áreas urbanizadas em praças e parques. Possui duas cores de plumagem, avermelhada (como na foto) e uma variação acinzentada.

Corujinha-do-mato. Créditos: Tiago Degaspari - EF (DSC_1182)

Coruja-orelhuda (Asio clamator)

Frequência de observação: ★★★☆☆
Hábito: noturna.

Dentre as corujas de médio porte a coruja-orelhuda é uma das mais frequentes em áreas urbanas, destaca-se pelo seu porte maior se comparado à coruja-buraqueira, pelas suas orelhas aparentes no alto na cabeça, que na verdade são tufos de penas e sua coloração diferenciada. Vocaliza com frequência com “gritos” agudos empoleirada em postes e arvores na cidade, mas pode ser encontrada com frequência em bordas de matas, campos e pastos em áreas rurais.

Coruja-orelhuda. Créditos: Tiago Degaspari - EF (DSC_3966)

Suindara (Tyto furcata)

Frequência de observação: ★★★☆☆
Hábito: noturna.

Conhecida popularmente como suindara ou coruja-de-igreja devido sua preferência por habitar edificações humanas (torres de igreja, barracões abandonados, forros de casas, etc), costuma ser observada com frequência em cidades e na borda de matas, campos e pastos na área rural.

Coruja-das-torres ou Suindara. Créditos: Tiago Degaspari - EF (DSC_8160)

Mocho-dos-banhados (Asio flammeus) 

Frequência de observação: ★★☆☆☆
Hábito: inicio e final do dia, crepuscular, noturna.

Frequentemente encontrado nas bordas das cidades, especialmente em novos loteamentos, o mocho-dos-banhados chama atenção pelo seu tamanho e atividade diurna durante o começo do e final do dia,0 quando sobrevoa a baixa altitude terrenos e áreas cobertas com capim baixo a procura de roedores.

Mocho-dos-banhados. Créditos: Tiago Degaspari - EF (DSC_8045)

Murucututu-de-barriga-amarela (Pulsatrix koeniswaldiana)

Frequência de observação: ★★★☆☆
Hábito: inicio e final do dia, crepuscular, noturna.

De hábitos noturnos, essa espécie é típica de Mata Atlântica e prefere áreas de mata densa, ocasionalmente a murucututu-de-barriga-amarela pode ser encontrada aos casais em pequenos fragmentos de mata preservada, inclusive visitando áreas com arvores espaçadas.

Murucututu-de-barriga-amarela. Créditos: Tiago Degaspari - EF (DSC_3950)

Crença popular sobre as corujas.

Recai sobre as corujas uma crença que trazem mau agouro, ou seja, que algo ruim vai acontecer em breve. Até hoje, em pleno século XXI, em muitos locais no Brasil, especialmente em áreas rurais, muitas corujas são mortas quando encontradas próximas da casa ou quando cantam durante a noite.

Isso acontece justamente em função da crença popular que as corujas trazem “má sorte”. Isso é um mito que precisa ser desfeito.

Na verdade, as corujas são aves do bem e não merecem mais carregar esse título, pois são aves maravilhosas, que representam a inteligência e se tornam guardiãs noturnas de áreas habitadas caçando cobras, roedores, pequeno e grande insetos como por exemplo baratas e até escorpiões que se aproximam para alimentar-se dos restos de comida e lixo.

Ter uma coruja morando próximo da sua casa, na sua chácara, sítio ou fazenda é um privilégio para poucos “sortudos”. Lembre-se disso quando ver ou ouvir uma coruja e comemore!

Quer fotografar corujas (BirdWatching)?

Entre em contato com o portal EF e solicite informações e roteiros para observar e fotografar corujas. Clique aqui.

Abraços e até a próxima.
Equipe EF.

3 Comments:

  1. Trabalho perfeito!
    Carinho pelo que faz!

  2. Todas muito bonitas, belo trabalho, parabens!
    Abracos
    Nascimento

  3. José Francisco Pevarelo Pacheco

    Beleza, são lindas…….

Deixe um comentário, ficaremos felizes em saber o que achou!